Interpretação de texto: A lenda da Vitória Régia – 5º ano

Interpretação de texto: A lenda da Vitória Régia - 5º ano

    Esta é uma atividade de interpretação de texto voltada a alunos do quinto ano, esta atividade utiliza o texto “A lenda da vitória régia”.

    Estamos disponibilizando esta atividade e suas respostas em dois modelos em Word (modelo que pode ser editado) e em PDF (pronto para imprimir). 



    Baixe a atividade em:

ESCOLA:                                                          DATA:

PROF:                                                              TURMA:

NOME:

A LENDA DA VITÓRIA-RÉGIA

    A enorme folha boiava nas águas do rio. Era tão grande que, se quisesse, o curumim que a contemplava poderia fazer dela um barco. Ele era miudinho, nascera numa noite de grande temporal. A primeira luz que seus pequeninos olhos contemplaram foi o clarão azul de um forte raio, aquele que derrubara a grande seringueira, cujo tronco dilacerado até hoje ainda lá estava.

    – Se alguém deve cortá-la, então será meu filho, que nasceu hoje”, falou o cacique ao vê-la tombada depois da procela. Ele será forte e veloz como o raio e, como este, ele deverá cortá-la para fazer o ubá com que lutará e vencerá a torrente dos grandes rios…”

    Talvez, por isso, aquele curumim tão pequenino já se sentisse tão corajoso e capaz de enfrentar, sozinho, os perigos da selva amazônica. Ele caminhava horas, ao léu, cortando cipós, caçando pequenos mamíferos e aves; porém, até hoje, nos seus sete anos, ainda não enfrentara a torrente do grande rio, que agora contemplava.

    Observando bem aquelas grandes folhas, imaginou navegar sobre uma delas, e não perdeu tempo. Pisou com muito cuidado – os índios são sempre muito cautelosos – e, sentindo que ela suportava o seu peso, sentou-se devagar, e com as mãozinhas improvisou um remo. Desceu rio abaixo.

    É verdade que a correnteza favorecia, mas, contudo, por duas vezes quase caiu. Nem por isso se intimidou. Navegou no seu barco vegetal até chegar a uma pequena enseada onde avistou a mãe e outras índias que, ao sol, acariciavam os curumins  quase  recém-nascidos  embalando-os  com  suas  canções,  que  falam da lua, da mãe-d’água do sol e de certas forças naturais que muito temem.

    Saltando em terra, correu para junto da mãe, muito feliz com a façanha que praticara:

    – Mãe, tenho o barco. Já posso pescar no grande rio?”

    – Um barco? Mas aquilo é apenas um uapê; é uma formosa índia que Tupã transformou em planta.”

    – Como, mãe? Então não é o meu barco? Você sempre me disse que eu um dia haveria de ter meu ubá…”

    – Meu filho, o teu barco, tu o farás; este é apenas uma folha. É Naia, que se apaixonou pela lua…”

    – Quem é Naia?”, perguntou curioso o indiozinho.

    – Vou  contar-te…  Um  dia,  uma  formosa  índia,  chamada  Naia,  apaixonou-se pela lua. Sentia-se atraída por ela e, como quisesse alcançá-la, correu, correu, por vales e montanhas atrás dela. Porém, quanto mais corriam, mais longe e alta ela ficava. Desistiu de alcançá-la e voltou para a taba.

    – A lua aparecia e fugia sempre, e Naia cada vez mais a desejava.

    – Uma noite, andando pelas matas ao clarão do luar, Naia se aproximou de um lago e viu, nele refletida, a imagem da lua.

    – Sentiu-se feliz; julgou poder agora alcançá-la e, atirando-se nas águas calmas do lago, afundou.

    – Nunca mais ninguém a viu, mas Tupã, com pena dela, transformou-a nesta linda planta, que floresce em todas as luas. Entretanto uapê só abre suas pétalas à noite, para poder abraçar a lua, que se vem refletir na sua aveludada corola.

    – Vês? Não queiras, pois, tomá-la para teu barco. Nela irás, por certo, para o fundo das águas.

    – Meu filho, se te sentes bastante forte, toma o machado e vai cortar aquele tronco que foi vencido pelo raio. Ele é teu desde que nasceste.

    – Dele farás o teu ubá; então, navegarás sem perigo. Deixa em paz a grande flor das águas…”

    Eis aí, como nasceu a história da vitória-régia, ou uapê, ou iapunaque-uapê, a maior flor do mundo.

Machado, Irene. Literatura e redação. São Paulo: Scipione, 1994. p. 105-106.

 

QUESTÕES

1)    Qual é o título do texto?

2)    Qual é o tema do texto?

3)    Quem é o autor ?

4)    Quantos parágrafos contem?

5)    Onde se passa a história?

6)    Quem são os personagens do texto?

7)    Quem conta a história da vitória régia?

8)    O que aconteceu com Naia? E por quê?

9)    Em sua opinião o que significa curumim e ubá?

Por ACESSABER

As respostas estão no link acima do cabeçalho.







2 Comentários para Interpretação de texto: A lenda da Vitória Régia – 5º ano

  1. krislayne disse:

    demaisss

  2. MARIA INÊS DE FARIAS OLIVEIRA disse:

    Por favor , mande-me o gabarito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *