Interpretação de texto: Rosas na cabeceira – 6º ano

Interpretação de texto: Rosas na cabeceira - 6º ano

    Atividade de interpretação de texto, voltada a estudantes do sexto ano do ensino fundamental, com exercícios de leitura e interpretação do texto “Rosas na cabeceira”.

    Esta atividade de língua portuguesa está disponível para download em modelo editável do Word, pronto para impressão em PDF e também a atividade respondida.



 

 

    Baixe esta atividade de português em:

 

 

ESCOLA:                                                          DATA:

PROF:                                                              TURMA:

NOME:     

Rosas na cabeceira

    Mulher de cadeiras largas, sem esforço pariu o primeiro filho na cama que havia sido da sua família. Oferecia-lhe o peito ainda deitada, quando a vizinha veio visitá-la. Debruçou-se elogiando o pequeno, entregou à mãe a laranja que havia trazido, e cedo despediu-se. Mas ainda na porta voltou-se, olhou a cama.

    – Leito de vida, leito de morte – disse sem alegria.

    E se foi.

    Era uma bela cama, de madeira lustrada por longo tempo e muitas mãos. Havia acolhido sua mãe, e a mãe de sua mãe. Mas a partir daquele dia a mulher não conseguiu deitar-se nela. Sem lembrar as palavras da vizinha. Pesadelos infiltravam-se em seus sonhos.

    Esperou a vinda do mascate. Na tarde em que finalmente ouviu sua cantilena ecoando entre as casas, correu à rua e ofereceu-lhe a cama.

    – Não estou interessado em móveis – respondeu o mascate, que sabia tirar vantagem do desejo alheio. – Nem tenho serventia para esse.

    E como a mulher insistisse:

    – Se é para lhe fazer um favor, levo. Mas só posso pagar quatro moedas.

    A mulher alisou mais uma vez as rosas entalhadas na cabeceira. Depois entregou a cama em troca das quatro

moedas, e a viu afastar-se na carroça do mascate.

    Quatro moedas de pouco lhe serviam. Aquelas pareciam queimar na palma da mão. A mulher foi até o fundo do quintal, cavou um buraco na terra escura, e enterrou as moedas.

    Passadas algumas semanas, como saber, entre tantas plantas, que uma muda despontava no lugar da terra mexida?

    E a mulher teve outros filhos e seus filhos cresceram. E um dia sentiu uma tonteira, pensou que o sol estava escurecendo antes da hora, apoiou-se na parede. A mulher havia adoecido.

    Deitou-se naquele dia em sua cama estreita. No dia seguinte, começou a definhar.

    Definhou, definhou. Forças para levantar-se não teve mais.

    Estava tão magra e frágil que o marido, querendo dar-lhe algum conforto, decidiu fazer para ela uma cama nova. A muda era agora uma árvore copada. O marido foi até o fundo do quintal e a abateu.

    Durante dias serrou, lixou, martelou. Durante dias entranhou na madeira o seu próprio suor. Pronta a cama, firmes os encaixes, ainda poliu a cabeceira. Depois pegou o formão e, com cuidado, entalhou quatro rosas.

COLASANTI, Marina. In.: Com certeza tenho amor. Ed. Gaudi, p.47-49: São Paulo.

 

Questões

Questão 1

“Leito de vida, leito de morte…” De quem é essa fala:

(   ) da vizinha.

(    ) da mulher de cadeiras largas.

(   ) do marido da mulher de cadeiras largas.

(   ) do marido da vizinha.

 

Questão 2

Porque a cama era tão importante para a mulher de cadeiras largas?

(   ) porque ela achava a cama bonita.

(   ) porque a cama foi um presente do marido.

(   ) porque a cama estava em sua família desde a época da avó.

(   ) porque a cama era de madeira lustrada.

 

Questão 3

A mulher queria a todo custo se livrar da cama com “Rosas na Cabeceira”, por isso, quando o mascate passou ela ofereceu para ele. Este respondeu que não estava interessado em móveis, no entanto, acabou comprando por  quatro moedas. Por que ele tomou essa atitude?

(   ) porque ele era um bom homem e quis ajudar a mulher a se livrar da cama.

(   ) porque ele era interesseiro e tinha a intenção de lucrar com a venda da cama

(   ) porque se ele não comprasse a mulher iria jogar a cama fora.

(   ) porque ele quis fazer um grande favor à mulher.

 

Questão 4

O que a mulher fez com as moedas que ganhou com a venda da cama? E o que nasceu no local onde as moedas foram colocadas?

 

 

Questão 5

Explique,  como a profecia da vizinha se realizou?

 

 

 

Por Rosiane Fernandes Silva – Graduada em Letras

As respostas estão no link acima do cabeçalho.







Um comentário para Interpretação de texto: Rosas na cabeceira – 6º ano

  1. Messias Ferreira da Silva disse:

    Gosto muito das atividades e textos desse site. Aplico sempre nas aulas de reforço dos alunos do 6º ano, pois a clareza com que os textos são expostos bem como as atividades dão margem a um bom entendimento e aceitabilidade pelos educandos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *