Interpretação de texto: A bola – 9º ano

Interpretação de texto: A bola - 9º ano

    Atividade de interpretação de texto, direcionada aos estudantes do 9º ano, compõe-se de variadas questões que trabalham diferentes habilidades de leitura. O texto nos conta curiosidades sobre “a bola”. 

    Você pode baixar esta atividade de língua portuguesa em modelo editável do Word, pronta para impressão em PDF e também a atividade respondida.


 

    Faça o download desta atividade em:

 

ESCOLA:                                                          DATA:

PROF:                                                              TURMA:

NOME:   

Leia:

A bola

    Muito antes de o Brasil ter-se tornado campeão mundial de futebol, nossos antepassados já faziam as suas “peladas”. Só que não eram como as de hoje, é claro, com traves, bandeirinhas, juiz e torcida. O futebol veio muito depois, com suas regras criadas pelos ingleses.

    Mas a bola, ou pelota, ou balão, ou “menina”, ou “redonda”, como dizem os locutores de futebol, já era usada desde a pré-história. É mencionada nos livros mais antigos e nas mais antigas gravuras. Homero e outros escritores da antiga Grécia nos contam que o jogo de bola era considerado importante para dar maior elasticidade e graça ao corpo. São encontradas referências sobre jogos de bola entre os egípcios e mesmo entre os hebreus, que pouco se dedicavam ao atletismo.

    Os antigos romanos não eram também muito apreciadores de esportes. Gostavam de assistir às lutas dos gladiadores, é verdade, mas só de assistir: não participavam. Pois, mesmo entre eles, os jogos de bola eram muito difundidos.

    As casas de banho romanas tinham até um cômodo para esses jogos, e muitos senhores possuíam campos para os jogos de bola em suas casas.

    Antigas bolas também não eram como as de hoje. As primeiras bolas eram feitas de pedaços de couro costurados e “recheadas” dos mais diversos materiais. A menor das bolas, a harpastum, era uma bola muito dura e socada de penas. As maiores, as follis, eram cheias de ar, feitas de bexigas de animais, muito parecidas com as bolas atuais.

Manual do Escoteiro Mirim. São Paulo: Nova Cultura, 1985. p. 45-46.

 

Questão 1 – O tema do texto é:

a) o surgimento do futebol.

b) a origem e evolução da bola.

c) os jogos de bola na Roma Antiga.

d) a presença da bola na pré-história.

 

Questão 2 – O segundo parágrafo do texto, introduzido pela conjunção “mas”, estabelece com o parágrafo anterior a relação de:

 

Questão 3 – No trecho “Pois, mesmo entre eles, os jogos de bola eram muito difundidos.”, pronome destacado substitui:

a) os egípcios

b) os hebreus

c) os antigos romanos

d) os gladiadores

 

Questão 4 – O itálico destaca as palavras harpastum e follis porque:

 

Questão 5 – Ocorre a omissão de um termo oracional no seguinte período:

a) “Só que não eram como as de hoje, é claro, com traves, bandeirinhas, juiz e torcida.”

b) “Os antigos romanos não eram também muito apreciadores de esportes.”

c) “As primeiras bolas eram feitas de pedaços de couro costurados e “recheadas” dos mais […]”

d) “A menor das bolas, a harpastum, era uma bola muito dura e socada de penas.”

 

Questão 6 – No segmento, “É mencionada nos livros mais antigos e nas mais antigas gravuras.”, o termo “mais” indica:

a) conclusão

b) adição

c) comparação

d) condição

 

Questão 7 – No trecho “Mas a bola, ou pelota, ou balão, ou “menina”, ou “redonda” […]”, a conjunção “ou” sinaliza uma:

a) exemplificação

b) oposição

c) conformidade

d) escolha

 

Questão 8 – Na passagem “[…] era uma bola muito dura e socada de penas.”, a parte destacada funciona sintaticamente como:

a) aposto

b) predicativo do sujeito

c) complemento nominal

d) adjunto adnominal

 

Por Denyse Lage Fonseca – Graduada em Letras e especialista em educação a distância.

As respostas estão no link acima do cabeçalho.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *